Marília de Dirceu.


“Ornemos nossas testas com as flores,

e façamos de feno um brando leito;

prendamo-nos, Marília, em laço estreito.

Gozemos do prazer de sãos amores.

       Sobre as nossas cabeças,

Sem que possam deter, o tempo corre;

e para nós o tempo que se passa,

       também, Marília, morre.”

 

Marília de Dirceu – Tomás Antônio Gonzaga

Anúncios
Esse post foi publicado em Poesias de Outros Autores e marcado , , , , , , . Guardar link permanente.