Artesão Rafael Lage relata luta pelo reconhecimento dos Malucos de Estrada


Malucos de Estrada

Popularmente conhecidos como hippies, os artesãos da Praça Sete lutam não só pelo direito de comercializar seus produtos no local, mas também por uma identidade cultural própria. É o que relata o artesão, fotógrafo e blogueiro Rafael Lage, que atua na luta por este reconhecimento. “Não trabalhamos com a ideia do hippie, mas com a reconfiguração que o movimento hippie teve no Brasil ao se mesclar com as culturas brasileiras”, explica.

Segundo Rafael, a questão principal é a afirmação da identidade de Maluco de Estrada, ou Maluco de BR. Explica que o Maluco de Estrada é fruto de uma mescla da matriz cultural hippie (norte-americana) com outras culturas presentes no Brasil. “Nosso objetivo é conseguir um registro no IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), para obter a diferenciação dos simples comerciantes. Não são somente pessoas vendendo artesanato, são pessoas que compartilham uma ideologia em comum. É uma grande…

Ver o post original 169 mais palavras

Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.